"Poeta da Colina - Um Romântico no Século XXI"

sexta-feira, 29 de junho de 2018

Sobre âncoras

Eu ainda tenho a perfeita consciência do sentimento que levou ao poema a seguir. Poderia dizer que traz medo. Poderia vislumbrar um perigo. Ninguém quer sentir dor, angústia, raiva. Só que olhando bem a minha consciência dessas palavras transformam o meu agora em algo transparente, palpável, possível. Quando temos o exato conhecimento das nossas barreiras, sabemos para onde seguir. Pense na palavra "amarra". Amarrar é prender, neste caso prender a si próprio em pessoas, condições, sonhos, resultados, fins, e inúmeras outras expectativas. É depender de coisas fora de seu controle, e muitas vezes se deixar levar. Avalie bem a sua vida e veja ao que está amarrando a sua felicidade, pois pode ser exatamente o que te impede de ser. Consciente das amarras, o próximo passo é ser livre. Inspire-se!

"Amarras" (04/05/2018) 


Eu errei, mas isso não me define
Eu sei tudo que já passei
Do passado ninguém me tira nada
Eu trouxe comigo o melhor que pude
Que seja para você aquém
Que jogue tudo pro alto
Que me julgue pela parte
Eu não deixo de ser inteiro
Mudei? Me deixei levar?
Acreditei nas suas verdades
Acreditei tempo de mais no meu fracasso
Limitado, impotente, incapaz
Lamento ter perdido a voz
O ímpeto e até a confiança
Lamento pois foi por você
Eu me diminui
Eu deixei de ser
Não adianta tapa na cara
Não adianta desdém ou desgosto
A minha realidade está no espelho
Só que agora eu digo, nunca mais
Por ninguém jamais


Ass: Danilo Mendonça Martinho

Nenhum comentário:

Postar um comentário