"Poeta da Colina - Um Romântico no Século XXI"

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

“Indiferença Urbana” (12/08/2014)

Garoinha fina que não enche represa
Prédios acinzentados que tem coração
Cidade da multidão vazia
Sinto que chora sem colo que te acolha

É mais frio dentro do que fora
O asfalto cobre mas não esquenta
A cortina branca abre e o Sol é fraco
As pessoas te ignoram

Você vela solitária tuas tragédias
A natureza entende o que o humano falha
E no fundo da madrugada gelada
O corpo tem uma ideia, mas não a alma

Se desfazerá em migalhas de concreto
Enxurradas espalharão os seus lixos
Fumaça entupirá suas veias
Enfartaremos em algum horário de pico

Ass: Danilo Mendonça Martinho

2 comentários:

  1. É Danilo, infelizmente o homem, em sua 'natureza humana', esqueceu dos cuidados com o mundo. Hoje, só garoa num sol desértico.

    Admirável o seu poema!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Acho que estamos fadados a viver desse jeito e a morrer desse jeito, também.

    ResponderExcluir