"Poeta da Colina - Um Romântico no Século XXI"

quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

“Paixão Nacional” (10/02/2014)

Não nos falta inocência
A magia ainda existe
Mas sobram máscaras
O que sobrevive sufocado?
Ameaçado por interesses
Iludido pelo poder
O sonho não é ser um grande
O sonho hoje é posse
Ter é mais do que ser
Fabricamos um universo inteiro
Frágil e instável
Não existe um caráter sólido
Tudo desmanchará posto a prova
Hoje as beiradas cedem
As rachaduras estão por todo lado
Uma paixão deixada assim
Causará profundas marcas
Mas não posso evitar a curiosidade
Que brasileiro nascerá do outro lado?

Ass: Danilo Mendonça Martinho

quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

“Educação”

O normal é olhar em frente
Acreditar na mudança do futuro
Mas o futuro é uma questão de passado
Se para eles tudo é normal
Das atitudes aos pensamentos
Nós já comprometemos este horizonte

Toda formação de caráter é social
E nossa sociedade peca pelo exemplo
Valores muitas vezes não sobrevivem as ações
E se...aquele pode, podemos também
Nosso passado nos condena
E mesmo conscientes não mudamos o caminho
Por cima das falhas construímos
Eis aqui seu castelo de cartas marcadas

Só consigo olhar para o lado
Não dá para encarar tantos rostos
Todos já fora do alcance
Minha palavra será tardia
Minha esmola será vazia
Apagado dentro do sistema
Estático perante a realidade
Os jovens de hoje
São o passado de amanhã
E me assusta dizer
Ainda não mudamos o mundo

Ass: Danilo Mendonça Martinho

quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

“Na falta da tempestade” (05/02/2014)

Uma cidade que não chove não tem bueiros assim como um coração que não sente não tem cicatrizes. Precisamos de tudo, especialmente da dor. Nossas alegrias nos completam, nos dão força, esperança......nossas dores nos moldam. Acho realmente difícil de acreditar que seu caráter não tenha se formado por uma angústia se quer. Embora improvável não seja impossível. Caso acredite fielmente nesta teoria quer dizer que a vida ainda te reserva uma mágoa para apontar a direção. Não me veja, por favor, como algum melancólico pessimista, na verdade sou bem feliz. Apenas estaria sendo no mínimo desonesto com todas aflições da minha vida, adolescente e adulta, a não creditá-las nada do que sou hoje. Mudei para não me sentir mais assim, mudei para encontrar o bem estar de minha alma, mudei e continuo mudando em busca do meu melhor. Lembro claramente das dores e vitimização dos meus sentimentos. Aprendi que só vivendo o outro lado da moeda poderia crescer. Nem toda dor tem culpados, apenas participantes. O fato é que a perda, a ferida, mexem conosco. A inércia perante este incômodo vai te consumir, te fazer até mesmo desaparecer. A solução é agir em busca deste lugar onde possa encontrar paz para tudo que te inquieta. É um erro pensar que vai passar ou que vai partir. Tudo que é nosso fica, principalmente a dor. Precisamos nos resolver para estarmos preparados para viver e sempre há muito por viver. Esteja disposto a sentir pois não há lugar no mundo que não chova, o pouco que seja. 

Ass: Danilo Mendonça Martinho

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

“Vôo Livre” (04/02/2014)

Meu coração alça vôo
Mas ainda não é hora de morrer de amores
O nosso destino não é o mesmo
Por uma única diferença
Só eu sei para onde estamos indo
Eu embarquei para mudar minha vida
Por trás de toda foto e todo passo
Construí a minha coragem
No pôr-do-sol e na chuva que aproximava
Vieram as bênçãos veladas
O universo também tinha certeza
Com os pés fincados no chão
Num lugar de paz e sabedoria
Estendi minha mão...
Para unir definitivamente com a sua
Libertei então meu coração
Que junto ao seu, fugidos pela boca
Fizeram lar, fizeram abrigo
Ainda não é hora de morrer de amores
É hora de viver dele.

Ass: Danilo Mendonça Martinho