"Poeta da Colina - Um Romântico no Século XXI"

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

“Longe, tudo, já não será”

Você está pensando no agora
Cercado de memórias
Inundado pelo próprio pranto
Ainda com o calor do aconchego no rosto
Não vai enxergar o horizonte
Não vai enxergar o próprio nariz
O passado tomou conta
No minuto que decidiu partir
Tudo que achou que ia levar
Terá agora de ter fim
Mais uma caixa no maleiro
A vida passa pelos olhos
Não é preciso morrer
Basta o amor
Serão reveladas as feridas e o vazio
O infinito é maior que a alma
Como queremos caber?
É que o sentimento não tem fim

Espere pelo depois
Cada palavra é um vazio a menos
Cada passo é uma imensidão
Descobrirá o espaço dentro de si
Tudo que deixa de crescer
Um dia cabe na palma da mão
Aquele amor que era envolto em dor
Vira uma pequena felicidade
Destas que se pega de lembrança
Para tudo que acaba nesta vida
Existe uma distância

Ass: Danilo Mendonça Martinho

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

“Pesadelo”

As pupilas dilatadas procuram saída
Mas o corpo é inerte diante a palavra
O amargo envolve a língua
Goela abaixo a notícia do adeus

A tempestade cai junto com a noite
Sem chance de pedir a nenhuma estrela
Nosso desencontro é completo
Desejo, destino e alma

O silêncio aguarda meu consentimento
Que direito tenho sobre sua escolha?
Que suplica poderia mudar o fim?
Anulaste o que sou e o que sinto

Deito na cama que me sobrou
Meus olhos não sabem para onde ir
Sabem que estão em um pesadelo
Também sabem que já estão acordados

Ass: Danilo Mendonça Martinho

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

“Ideal” (17/11/2013)

Minha descrição, minhas adivinhações sempre estiveram erradas. A única coisa que sabia é que a vida me mostraria muito mais. Ela não deixou por menos. O que sinto ainda é indiscritível. Curioso algo que vive dentro de nós ser tão desconhecido. Só poderia descobrir isso contigo, minha alma jamais revelaria esse gosto se não fosse diante do amor verdadeiro, se não fosse na presença do que jamais a deixará. Quando coloco este sentimento nesta medida de eterno é que já não ligo ele necessariamente aos nossos corpos, muito menos a esse tempo. A impressão de já estar aqui antes de nós talvez não seja tão distante da realidade. Hoje ele toma partido em todos os meus planos de futuro. Não é invasão, eu não saberia o que fazer sem ele, não saberia o que sonhar. Vivi sem este sentimento e poderia seguir sem ele, mas é escancarado que não quero. Cada dia olho em frente e antecipo em meu coração todas as coisas que ainda passaremos nesta vida e a perspectiva deste amanhã faz este agora tão mais feliz. Desvendo mais de mim quando estou com você e sinto que sou melhor quando somos dois. Sem somar, apenas completando. Não sei o que a vida trará diante outros desejos, mas sei com quem enfrentarei todos os desafios. O que sinto ainda é só meu, mas é o mais próximo que já pude definir o amor, completo e atemporal. 

Ass: Danilo Mendonça Martinho