"Poeta da Colina - Um Romântico no Século XXI"

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

“Hoje a chuva só cai”

A chuva sempre me fez companhia
Mas sinto que algo mudou
O cheiro no asfalto,
O sentir da pele,
O sussurro no ouvido...
Tudo parece artificial

É que nem sempre chove para gente
Tem muita melancolia,
Muita lágrima precisando de disfarce
Penso que hoje ela cai
Só para me lembrar que está por perto

A chuva tem muita terra para cobrir
E faz uma coisa de cada vez
Então abri meu guarda chuva
Fiz companhia como bom amigo
Tentando apenas retribuir
Talvez ao tempo ela volte
Com as palavras preciso ouvir

Ass: Danilo Mendonça Martinho

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

“Carta para um fim de tarde”

A natureza humana me atingiu como um raio
A ideia de um mundo tão perdido
E apenas tua lembrança me salva
Minha vida faz sentido ao teu lado
Tudo que sou hoje também é parte de você
Só eu sei o quanto te quero agora
Todos dias que você me salva
Sei que fazer planos não será em vão
As vezes o mundo assusta
E eu tenho sua mão para segurar

Ass: Danilo Mendonça Martinho

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

“Aprendiz” (21/08/2013)

O que mudou?
Será que repito erros?
Um dia fui aluno
Escutei tudo que podia
Um dia deixei de ser
Continuei a escutar
Crescer é para sempre

Hoje me ignoram
Como se fosse fatalidade
As palavras que digo
Mero acaso do gosto
Sinto-me vazio
Conhecimento sem vazão

A experiência é pouca
Quero ser mestre um dia
Ainda sou mistura
Dos meus desejos
E do que conquistei
Isso ninguém me tira

Estou apenas tentando
Passar adiante minha cultura
O seu desdém faz parte
A platéia tem seus direitos
Mas não desqualifique
Se me arrisco no discurso
Falo daquilo que sei

Ass: Danilo Mendonça Martinho

quinta-feira, 5 de setembro de 2013

“Um Lugar Melhor”

Eu sempre abdiquei o porquê das palavras. Sentia e me parecia tudo. Também sempre soube ser um dom, um encontro permitido aos meus ouvidos. Talvez somente agora posso aceitar, entender e assumir a grandiosidade da poesia. Posso fazer do mundo um lugar melhor. Pode ser um canto, uma vírgula, um quase nada, mas posso. Não é algo que se abdica sem consequências para alma. Nosso talento é o sinal mais claro da nossa busca nessa vida. Ele tem que permear todas nossas atitudes, toda nossa essência. Viver significa ser tudo que se pode, sem restrições a nossa alma. Tantas vezes somos conformados a nossa realidade que o potencial vira segundo plano. Permanecemos a caminhar incompletos. Não, a vida é mais. Não sei quais são minhas chances, jamais saberei ao certo os resultados, mas tenho a palavra e farei dela o melhor que puder, eu apenas te peço que me ouça. 

Ass: Danilo Mendonça Martinho