"Poeta da Colina - Um Romântico no Século XXI"

quarta-feira, 6 de fevereiro de 2013

“Próximo” (28/01/2013)

Talvez o mundo lhe pareça um lugar cheio de estradas erradas. Nossa percepção da vida é influenciada por muitas variáveis, todas plausíveis. O reparo de nossa alma parece um trabalho eterno, sempre algo está fora do lugar. Mas não acredito que seja defeito de fabricação nascer assim “sem lugar”. Não falo de casa, cidade ou país. Falo de um lar para nossos sentimentos, desejos, sonhos, enfim, nosso ser. Ser é uma responsabilidade muito grande, mas não além da capacidade humana. Ser envolve escolhas, princípios e uma reconstrução constante de si perante a vida. Essa busca leva muitos ao desespero, mas esta busca leva. Fluir e fruir por este mundo é fundamental e as aflições de nossa alma é o que nos move. Algo que te mantém vivo, te mantém ansioso do futuro, não pode ser de todo mal. É que dói, eu sei, dói. Precisamos de um lugar que abrigue este nosso ser. Para alguns é a liberdade, para outros ainda que não pareça é a solidão, mas para todos em algum momento é a companhia. 

Zilhões de variáveis e eu venho repetir-me sobre a necessidade de se encontrar em outro. Mas não confunda com Amor, pois este é peça. A verdade é que em meio a essa lapidação do que se é, precisamos de descanso. Acredite, não há férias dentro do seu próprio corpo. Há muitas ruas sem saída, muitos sentimentos sem resposta, muita melancolia se misturando com os sonhos, muita mesmice no horizonte. Precisamos de outro que enxergue alguma vírgula diferente, algum alívio para todo universo que carregamos em nós. Precisamos renovar as forças de nossos ideais e rearranjar a harmonia da nossa paz. A construção desse lar é muito gratificante para se deixar pelos caminhos. Plenamente ser é incrível. Tudo que se precisa para continuar é um outro, é um corpo para descansar a alma. 

Talvez o mundo lhe pareça um lugar possível, todos os dias. 

Ass: Danilo Mendonça Martinho

3 comentários:

  1. Só entende quem torna-se parte.

    Abraço poeta!

    ResponderExcluir
  2. A gente sente o tempo todo e sentir demais cansa. O mundo sempre é um lugar possível e talvez seja essa a esperança que nos faça sentir o tempo todo. Vai saber...

    Queria ter vindo antes, mas acredite, mal consigo chegar até o meu blogue. O que acontece com o tempo, que nos rouba de nós mesmos?

    Um beijo, para o meu amigo poeta que vê o mundo de cima e descobre as suas miudezas!

    ResponderExcluir