quinta-feira, 11 de outubro de 2012

"Deserto de Alma" (01/10/2012)

A secura dos dias chega na alma
São os goles de água que não completam a vida
Os corpos que endurecem sem afeto
O coração que arranha forçando desejos

Não há tempo bom em um mundo vazio
Para preencher uma vida é preciso vontade
Sonho se inspira no ar, mas o que fica por dentro?
No que exatamente a gente se transforma?

Que volte por favor o sentimento
Há espaços demais entre as palavras
Construindo abismos entre as pessoas

Basta um dia de esperança
Um olhar levemente atento
E a alma deixará de ser silêncio

Ass: Danilo Mendonça Martinho

3 comentários:

  1. O olhar de quem nos ama nos recorda que existimos.

    ResponderExcluir
  2. O olhar é o espelho da alma...Bela poesia! Parabéns

    ResponderExcluir
  3. ´"Há espaços demais entre as palavras"...lindo poema..beijos

    ResponderExcluir