quinta-feira, 13 de setembro de 2012

“Manchete” (13/09/2012)

A palavra se precipitou
Entregou a verdade
Nas mãos da ilusão
Passou seca pela garganta
Desaguou em desespero
O sentimento mora perto

A tragédia é diária
Corpos alheios do contato
Ruas cheias de objetos
Mas nenhuma revolta
Tudo já virou paisagem
Desde a alegria até a miséria
A palavra também abriu mão

A fé no que é humano
Sobrevive ao jornal na TV
Ao tiroteio no cruzamento
À fome do concreto
À sede pelo poder
Até que a última voz se renda
E não exista mais porta para bater

Ass: Danilo Mendonça Martinho

8 comentários:

  1. "Até que a última voz se renda
    E não exista mais porta para bater"

    Continua manchetes... movimentos acelerados mostram estranhamente lentos.

    Sempre belas palavras

    Grata!

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  6. Lutemos, poeta, contra a 'paisagização' de tudo, lutemos!

    M.

    ResponderExcluir
  7. Quando a palavra morrer, nada mais será manchete.

    Abraços poeta!

    ResponderExcluir