"Poeta da Colina - Um Romântico no Século XXI"

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

“O Coração e O Amor” (18/09/2012)

Há muito tempo atrás, aqui nessa mesma palavra, viviam muitas outras. Declarações, loucuras e tragédias. Nunca pareciam ser o bastante, partiam sem chegada, tinham uma pesada bagagem, creio que jamais foram livres. Eram alguns gritos, outros quase apenas pensamento, que rodeavam o mundo sem sucesso de lhe chamar a atenção. Pobre palavras frustradas, queriam apenas servir seu destino. Eram abismo sem resposta, não importa onde tentassem chegar. Até onde vai uma palavra? O mais fundo que já haviam ido era no mergulho de uma lágrima e desta conquista não podiam sorrir. Pois as palavras tinham um plano. 

Rima por rima desmontaram-se os versos e pelo silêncio perdiam a formalidade das métricas. Elas que já tinham pulado de precipícios, foram caladas sem motivo, desconsideradas como se fossem ilusão; Agora se retiravam, sem protestos ou vinganças, mas por escolha. Sabiam de alguma forma que não precisavam encontrar o caderno apenas nas tristezas, pois afinal tudo que vive respira, nem que seja um pouco, de alegria. Já passava da meia-noite quando o encontraram de braços abertos. Foi uma verdadeira festa. Cada palavra lançava um verso que rimava com felicidade e tinham para si, em suas certezas, que haviam encontrado seus propósitos, e assim descreviam vidas maravilhosas. E mesmo assim o Amor andava cabisbaixo. 

Sentia falta do Coração e todas suas loucuras, todas as suas emoções, até mesmo a tristeza tinha deixado saudade. Ele não se incomodava com o eterno sonho, ou com os desejos que não se completavam. Sentir era suficiente. Mas quem lhe daria ouvidos? As palavras estavam alegres, livres, falando de borboletas e nasceres do sol. Sem melancolias, entrelinhas, ou coisas do tipo. Eram claras, objetivas, uma só. Ninguém queria voltar. O Amor tinha consigo a esperança, que as outras palavras tinham deixado para trás. Esperança que essa felicidade também existia por lá. Mas não havia argumentos, foram anos de procura, agora elas queriam a vida. 

Foi no fim de um inverno, depois de muito falatório, avisos e das palavras se repetirem em suas histórias, que o Amor partiu. Levou consigo a esperança e mais nada, era só silêncio. O caminho era longo, mas ele não olhava para trás, seu destino era sentir e para isso não precisava das palavras. Depois de dias e noites com a esperança que não lhe deixava nem nas intempéries, ele ouviu e reconheceu de imediato aquele ritmo, quase que como uma música que o estava chamando. Abriu os braços, beijou o chão, fez juras e uma única promessa: de jamais voltar a partir. 

Hoje não há palavra que encontre o Amor e olha que muitas delas tentam. Todas sabem onde ele mora, lhe mandam recados, mas não saberiam descrever o seu caminho. Hoje o amor vive de olhares e esperança, e também dizem que volta e meia, a felicidade visita seu abrigo. 

Ass: Danilo Mendonça Martinho

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

“Contexto” (17/09/2012)

O que aqui escrevo está condenado
Retrógrado, antiquado, parcial
Censurado e perseguido
Pelas causas que não nasceram

A palavra está sujeita ao futuro
Contextos mudam significados
Interesses pedem pontos de vista
Não há meio termos, apenas lados

O consagrado pode se tornar grotesco
Como um dinheiro que perde valor
Uma interpretação que desfaz uma obra
Quem serão esses donos da verdade?

Ninguém está aqui nesta escrivaninha
Como garanto que ninguém esteve lá
O passado não vai moldar o futuro
O poeta registra sua época
O homem constrói sua história

Ass: Danilo Mendonça Martinho

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

“Não Ainda” (15/09/2012)

A brisa ainda sopra entre os raios de Sol
O inverno permanece como pano de fundo
Insistente em reinar por toda sua época
Ele gela as madrugadas
Esconde o mundo na cerração enquanto puder
Raramente ainda consegue unir negras nuvens
Ele sabe que seu tempo é escasso
Mas não desiste em vivê-lo na plenitude
Pega desprevenidos os que olham, mas não abrem as janelas
O horizonte engana, ele ainda está aqui
Não é uma simples questão de nostalgia
É entender qual lugar pertencemos
O inverno não vai se importar de partir
Mas vai soprar esse vento gelado até lá
Todo mundo tem seu propósito na vida
Não há porque desistir antes do fim
Abri a porta e deixei a estação entrar
Contar para mim seus últimos segredos
Ainda há tempo de um abraço
Ainda existe melancolia no fim de tarde
Ainda sopra um vento virtuoso na alma
O inverno ainda há de convalescer os corações

Ass: Danilo Mendonça Martinho

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

“Manchete” (13/09/2012)

A palavra se precipitou
Entregou a verdade
Nas mãos da ilusão
Passou seca pela garganta
Desaguou em desespero
O sentimento mora perto

A tragédia é diária
Corpos alheios do contato
Ruas cheias de objetos
Mas nenhuma revolta
Tudo já virou paisagem
Desde a alegria até a miséria
A palavra também abriu mão

A fé no que é humano
Sobrevive ao jornal na TV
Ao tiroteio no cruzamento
À fome do concreto
À sede pelo poder
Até que a última voz se renda
E não exista mais porta para bater

Ass: Danilo Mendonça Martinho

segunda-feira, 10 de setembro de 2012

“Um dia de cada vez” (10/09/2012)

Perdoa se o alvorecer parte
A felicidade é perene
Os caminhos que se desenham
Sempre voltam

A primavera pode ser a primeira
Mas os espinhos já feriram
O que vinga nesse jardim
É vida que desconsidera o tempo

O fim de tarde guarda a cor da memória
O mundo gira em nostalgia
O sonho recria o encontro
Acordar é sempre um novo desejo

Perdoa se a noite volta solitária
Não é preciso nenhuma aurora
O sentimento é a eminência
Do que já existe fora de si

Dorme com a certeza
O futuro é um lugar desconhecido
Mas para onde viajamos com a alma
Levamos quem a gente quiser

Ass: Danilo Mendonça Martinho

quinta-feira, 6 de setembro de 2012

“O sorriso da palavra” (05/09/2012)

A palavra deixou de doer
Perdeu assim, sua companhia
A alegria figurou como desconhecida
Indigna de um comentário
Se fosse melancolia falando de felicidade
Reuniriam-se todos para aplaudir
Mas é apenas a verdade descrevendo realidades
O que é o amor se não derrama?
Nota pé de um jornal qualquer

Ninguém quer as palavras doces
O coração amargo não acredita
Mas compra tudo que é utopia
Cercando-se de um vazio
Como é difícil olhar em frente
Ouvir dizer que o sonho existe
E nem poder ver o teu desenho
Que triste fim à palavra sorriso
Descobrir-se solidão como o inimigo

Ass: Danilo Mendonça Martinho

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

“Amor é parte”

O mundo existe sem amor
A madrugada faz companhia
A penumbra suspira
O Sol se levanta
O horizonte colore
Os olhos resguardam
A alma ainda é profunda
A natureza respira
Entre cantos e sopros
A chuva vence o concreto
Alimenta vida
O passo segue em frente
O desejo continua doce
O abraço aconchega
A mão estende
O céu vira brigadeiro
O amigo da risada
Nada vem de graça
Tem patrão, tem horário
Sorvete na praça
Jogo de futebol
Tem pôr-do-sol
O cansaço do final
Um lar para voltar
O pensamento que se perde
A esperança ainda vive
Tem sonho, tem reza
As estrelas brilham
A felicidade é possível

Viver com amor
É uma escolha

Ass: Danilo Mendonça Martinho