"Poeta da Colina - Um Romântico no Século XXI"

segunda-feira, 9 de julho de 2012

“Abraço de Adeus” (09/07/2012)

Tardes frias não são em vão
O mundo sente
Contorce, espreme...chove
Marcas da partida
Fica o humano sem a essência
Espalhada como confete em lembranças
O vento sopra para levar
Alguém encontrou sua paz
Nós teremos que reencontrar a nossa

Tardes frias se despedem
Pois tudo merece um adeus
Toda lágrima precisa escorrer
Os destinos e seus encontros
O coração agasalhado de abraços
A certeza do insubstituível
Doerão como o Amor
A vida não pulsa por apenas um

Eu vivi madrugadas inconcebíveis
Amanheci em um gelado dia de outono
Conforme se dissipava a presença
Descobri o quanto existia em mim
Ponderei sobre a estação fora de época
Não saberia imaginar algo melhor
A última lição foi sentir com o mundo
Sorrir pela vida...mesmo quando se vai

Ass: Danilo Mendonça Martinho

5 comentários:

  1. Ai que belo,profundo,
    chegar a me doer esse adeus!

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  2. Sorrir para vida, mesmo quando se vai é um grande desafio...linda poesia como sempre..beijos

    ResponderExcluir
  3. Adeus, uma palavra tão curta mas com um significado tão grande. Não estou pronta para ela. Belo texto. Beijo poeta. Se cuida.

    ResponderExcluir
  4. Caracas, foi bem assim que fiquei... entre os pontos depois da breve leitura! :)

    ResponderExcluir
  5. A tempo não vinha no seu blog confesso estava com muitas saudades.
    Entrei seguindo vc novamente porque troquei a mina imagem para entrar nos seguidores dos amigos.
    Linda poesia gostaria muito de poder postar alguma delas no meu blog.
    Uma linda noite beijos no coração.
    Evanir.

    ResponderExcluir