"Poeta da Colina - Um Romântico no Século XXI"

quinta-feira, 21 de junho de 2012

“Ensaio sobre o romance” (20/06/2012)

Tudo para voltar ao mesmo velho canto do travesseiro, com a mesma tempestade caindo lá fora. A alegria reserva o mesmo leito da infelicidade, dorme ao lado da tristeza e acorda no frio de um inverno. Por todos os passos de nossas dores, ela existiu. Nos encolhemos vezes demais, e ela é dessas que se alcança.

Tudo começa quando se abre os olhos, cansado de seu inchaço e vermelhidão. Resolvemos olhar para o mundo nem que seja sem cor, nem que apenas sobre rancor. O olhar é um lugar de intempéries. Reside nele nossa intenção, já de muito frustrada, acolhida pelo medo. Em segundo plano tudo que queremos ignorar, como se pudesse impedir a beleza de uma flor. A vida te encara. No fundo dos olhos dela, como se fosse teu primeiro encontro, alguém olha de volta.

É quando abrem-se os braços. A esperança de prontidão que vence por pouco nossas resalvas. Mas o humano guarda essa vontade de se completar na vida. Mesmo que seja um vulto, mesmo que passe sem notar-te, mesmo que a estadia seja breve, mesmo que no fim a mão volte vazia...Não há como não estender-se a chance de que aquele próximo, seja seu único.

É quando se abrem os sorrisos. Seja um instante, seja a eternidade. Sabemos que nesse gesto tudo ficará bem, independente da palavra, da presença ou mesmo do amanhã. Basta este sorriso a cada novo encontro e tudo nesse mundo tem ao menos o sonho de ser feliz. Basta estar de olhos abertos.

O amor verdadeiro te faz chorar. Afinal a felicidade que finalmente preencheu aquele vazio, é digna de uma lágrima no velho travesseiro.

Ass: Danilo Mendonça Martinho

4 comentários:

  1. O romance que mantemos com a vida,a esperança sempre de prontidão, mesmo sendo um vulto, um nada uma coisa qualquer. Somos sempre dignos de uma lágrima.Foi assim que li Poeta Danilo, de uma extrema realidade. Beijos no coração!

    ResponderExcluir
  2. Todo esse texto, é digno de uma lágrima. Fez-se silêncio em mim.

    LINDO!!!

    ResponderExcluir
  3. Quando o olhar encontra o sonho, a lágrima pula pela face, afinal todo romance é úmido

    Abraço poeta e parabéns!

    ResponderExcluir
  4. A lágrima mudou seu significado e encontrou no final um sorriso.
    Lindo!!

    ResponderExcluir