"Poeta da Colina - Um Romântico no Século XXI"

quinta-feira, 13 de outubro de 2011

“Um ensaio sobre o amargo” (21/09/2011)

O telefone já não toca. São as sutilezas do silêncio que esvaziam aos poucos a presença. Não dá para negar o suspiro de liberdade, sentimentos também pesam. Descobri recentemente as fissuras em meus princípios. Não me angustia minha decisão, nem seus motivos. Mas abandonei uma relação, não foi sem feridas. Em uma inocência acreditei que jamais criaria uma mágoa, uma tão bem acabada, tão marcante, tão longe de minhas verdades. Inocências crescem. Não sinto falta de nada neste quarto, não porque esqueci, mas na verdade nunca coube. Não olho para isso como falha, desperdício, penso que assim é a vida. No mais apenas me incomoda que a única alternativa ao amor seja a dor. As cicatrizes são mais necessárias do que digo e imagino. É, não há alternativa quando se admite que não se ama. Por isso nesta penumbra de fim de dia sobra este gole seco, cheio de realidade, esperança, dores, pesares, verdade e duramente sincero. Prefiro esta dose aos paliativos humanos.

Um brinde.

Ass: Danilo Mendonça Martinho

17 comentários:

  1. Conhecer a verdade, mesmo que cruel, é sempre o melhor caminho!

    Beijos,

    Luana Barcelos

    ResponderExcluir
  2. Mais vale o amargo da verdade do que o adocicado de uma ilusão.
    Bjos

    ResponderExcluir
  3. Sim, poeta, sentimentos pesam. Mas, só descobrimos isso quando a inocência cresce. E a dor? Ela dói; dói inteira, mas depois adormece. Melhor doer pela verdade - quando a gente admite que não ama - do que viver de paliativos.

    Amei a doçura desse amargo!

    Beijos, poeta!

    ResponderExcluir
  4. Não sei...me deu a ideia de "vazio" esse poema. Não que ele seja vazio. Mas,só o sentimento que o "eu lírico" passa...não sei ao certo...

    ResponderExcluir
  5. Se não há amor... nunca houve, nunca foi.

    ResponderExcluir
  6. "As cicatrizes são mais necessárias do que digo e imagino."

    Ainda bem que existem cicatrizes.Que sorte seria a nossa se todas as feridas permanecessem abertas?
    E vamos viver a vida, com todos os nossos excessos e faltas.
    Abraço!!

    ResponderExcluir
  7. O telefone não toca e parece que nada falta, mas vivemos esperando alguma coisa..
    Eu gosto taaanto das coisas que vocês escreve

    ResponderExcluir
  8. Aos poucos a gente percebe o quanto as sutilezas do silêncio são necessárias para nossa própria compreensão. É uma honra ter um comentário seu no meu blog, Poeta. O texto, como sempre, de um lirismo ímpar.

    ResponderExcluir
  9. Lembrou-me Adélia, quando ela diz: Aqui é dor, aqui é amor, aqui é amor e dor: Onde um homem projeta seu perfil e pergunta atônito:
    em que direção se vai?"

    Não sei... mas não vejo só a dor como alternativa, nem é ela somente o contrário do amor. É confuso.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  10. Brindemos.
    Faz muito contato com o meu próximo texto no AmoresCrônicos (do amor à pedra). Estou arrumando, talvez para semana que vem. Lembrarei de você quando clicar em "publicar".

    ResponderExcluir
  11. Uau... tocou e marcou aqui dentro, Poeta!

    Lembrou-me a música de Rita Lee, "O gosto do azedo"...

    Muito bom!! Despedidas sempre mexem com o coração!

    Beijo carinhoso!

    ResponderExcluir
  12. Levanto meu copo amigo e brindo contigo.
    Há em minha traquéia o mesmo gosto amargo que desce pela sua.
    Prossigamos !!!

    Bjs, poeta querido.

    ResponderExcluir
  13. O siêncio tantas vezes se torna um grito que nem sempre estamos prontos para ouvir.

    Um beijo
    Boa semana.

    ResponderExcluir
  14. Teus textos são referenciais de brandura e crueza. Um brinde... às suas inspirações! (;

    ResponderExcluir
  15. E tomada de um gole só passa mais rápido, ou volta.

    ResponderExcluir
  16. Cheap Hogan Shoes authenticity and quality of all merchandise sold on our site. Hogan Shoes to go online. Discount Asics Shoes

    ResponderExcluir