"Poeta da Colina - Um Romântico no Século XXI"

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

“Fato Consumado” (13/10/2011)

Duas almas na incerteza do amanhã
A beira da impossibilidade do “nós”
Tatearam as saliências de seus corpos
Salivaram desejos por toda pele
Descobriram os limites do prazer
Para abandonar todos os pudores
Mergulhados na satisfação mundana
A simplicidade da nudez
O primitivo instinto de querer mais
Abstinência do tempo pelo eterno
As marcas dos arranhões nas costas
A paixão maior que a razão
Saciar a chama até o último fôlego
Traíram as certezas do futuro
Ao consumar a vida com o agora

Ass: Danilo Mendonça Martinho

6 comentários:

  1. Belo, amigo!
    Erotismo racional. Que bom que o consegue rs
    Um ótimo trabalho!
    Abraço!

    ResponderExcluir
  2. Poeta,

    Esse é... Sabe, não há nada melhor do que "consumar a vida com o agora". É a lembrança mais verdadeira e significativa, porque estamos lá, tocando e sentindo.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Essa incerteza é o fato que habita os corações dos amantes, mesmo que seja para amar a vida. Versos lindos, como sempre. Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Poeta, tomei emprestado um verso. Espero que não se aborreça comigo. E claro, adicionei um link direto para cá. Amo esse espaço e quero compartilhar isso! E acho que você já sabe...

    Beijos.

    ResponderExcluir
  5. Juntos, desejos reunidos, pedaços de ser que se comungam. Ler perfaz um prazer contigo.

    ResponderExcluir
  6. Sempre sensível ao extremo, poeta...

    Não temos nada além na vida do que fatos consumados!

    Beijos!!

    ResponderExcluir