segunda-feira, 8 de agosto de 2011

“Luz da Estrada” (23/07/2011)


No fundo da noite
Separamos entre as estrelas
Tudo que foi abraço
Tudo que restou do amor
Nas sobras do real
Somos o que sobreviveu
Apesar dos desvios do caminho
Das chances para voltar
Sem perspectivas de final
Formamos o sorriso
Que ecoa no breu da vida

Ass: Danilo Mendonça Martinho

13 comentários:

  1. O sorriso que, apesar da escuridão, alumia.

    Lindo, Danilo. Lindo e puro.

    ResponderExcluir
  2. Que lugar mais próximo para remanescer o que não se perdeu, lindo!

    ResponderExcluir
  3. Intensidade é o seu nome!!! Beijos...

    ResponderExcluir
  4. O sorriso que nasce a partir do real nunca para de ecoar.

    ResponderExcluir
  5. "Formamos o sorriso
    Que ecoa no breu da vida"
    feito o sorriso que não brilha
    no escuro da noite perdida!

    Se estraguei o poema, perdão. rs

    Muito bonito!

    ResponderExcluir
  6. Enquanto sou espera...


    Belas palavras de uma vida que pareceu minha! (:

    ResponderExcluir
  7. "Somos o que sobreviveu
    Apesar dos desvios do caminho"

    Porque quando é real prevalece.

    Beijo meu!

    ResponderExcluir
  8. Bom mesmo é a lembrança de um grande momento.
    Mas, o que é o amor ?
    Pergunta sem resposta, diz o poeta.
    Então, vamos lapisar em papel, as digitais do pensamento.
    Adorei o seu poema.
    Belissimo e agradavel
    Abraços e felicidades, sempre

    ResponderExcluir
  9. Um sorriso ilumina a vida inteira, transforma caminhos.

    Abraços

    ResponderExcluir
  10. as vezes somos a dor e não o sorriso, mas ainda bem que é so ás vezes

    :)

    bjos

    ResponderExcluir
  11. e que sejamos sempre o sorriso formado!

    Abraços

    ResponderExcluir
  12. 'E a minha alma alegra-se com seu sorriso, um sorriso amplo e humano, como o aplauso de uma multidão!'

    Sempre com um sorriso no rosto!

    :)

    Boa noite, bjs.

    ResponderExcluir