quinta-feira, 16 de junho de 2011

“Deserdo” (16/06/2011)

Tenho palavras
Mas abdico
Não importam suas verdades
Jamais soarão sinceras
Não quero prolongar a dor
Nem me acostumei a ser mágoa
E isso basta
O argumento sempre será vão
Quando perante o sentimento
Entrego-me ao tribunal
Podem julgar o corpo
Esquecer-me num canto escuro
É simplesmente justo que o façam
Não tenho defesas
Chega de apelos e eufemismos
Cansei de discutir o ponto.
Não há nada mais aqui
Que me desculpem as palavras
Mas ficarei com o silêncio

Ass: Danilo Mendonça Martinho

13 comentários:

  1. Lindo. O silêncio às vezes nos diz muitas coisas.

    ResponderExcluir
  2. Luiz Rafael de Assumpção Pereira16 de junho de 2011 19:43

    Às vezes o silêncio é a maior forma branda de manifestação da nossa vontade.
    Rafa/Supino

    ResponderExcluir
  3. Nossa manow ... perfeito !!! Tirou as letras da minha pena !!! Bah ...

    ResponderExcluir
  4. Adorei suas palavras. Você escreve bem demais. Beijos, querido. Au revoir.

    ResponderExcluir
  5. Dá a ti mesmo o teu próprio veredicto. E, permita que os outros assistam e participem do julgamento final.

    ResponderExcluir
  6. Retiro-me em silêncio diante da beleza das suas palavras rasgadas aqui...

    Beijos querido.

    ResponderExcluir
  7. O silêncio tb é desistência, cansaço...
    Bjo

    ResponderExcluir
  8. Depois dessa lindeza, sou só silêncios...

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  9. O silêncio não sabe parar mais, depois de tanta reflexão, ele grita. Lindo, Danilo.

    Um abraço, bem forte.

    ResponderExcluir
  10. ola

    Me encantei com teu blog por isso sigo-te

    :)

    ResponderExcluir