"Poeta da Colina - Um Romântico no Século XXI"

segunda-feira, 21 de março de 2011

“Último final” (14/03/2011)

Lamento informar que somos os mesmos
Nos encontramos no mesmo vazio
Sucumbimos diante a mesma promessa
Dói
Como se fosse a única coisa a sentir
Um âmago que grita por ajuda
Um coração pronto para desistir
Canso
Palavras, gestos e abraços
Futilidades de uma rotina
Como se simplesmente não soubesse
Recuso
Não preciso me sentir assim
Todos amamos com limites
Preciso voltar para dentro dos meus
Acabou
Não quero que deixe esperança
Devolva-me a chave de minha alma
E não me volte com algo menor que o amor

Ass: Danilo Mendonça Martinho

19 comentários:

  1. E só retornes se for amor sem medidas, que não aceita rotinas, que me quer para sempre, sem meias palavras escondendo mentiras

    ResponderExcluir
  2. Porque nada menos que isso será aceito.

    Perfeito, perfeito também seu comentário no post, é saudade mesmo.

    Abraços e Feliz dia Mundial da Poesia!

    ResponderExcluir
  3. E para fechar o dia mundial da poesia, leio esse texto incrível!!!

    Fascina-me tudo o que escreves!

    =D

    Bjo!

    ResponderExcluir
  4. Nada é maior do que o amor. Nada mais forte, puro, extenso, incontestável. Linda escrita.

    ResponderExcluir
  5. Devolva a chave do sentimento que foi tão intenso quanto a liberdade de amar...

    Lindo querido!!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Gosto da forma como escreve, ,me encanta, me comove...

    ResponderExcluir
  7. Creio que, no fundo, talvez até lá onde a consciência não vá, você escreveu a voz de todo ser humano.

    ResponderExcluir
  8. Esse final...!!! Deixou-me sem palavras...
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. E não pode ser um amor qualquer não. Precisa arder, florescer, acabar e recomeçar. rs
    bacio

    ResponderExcluir
  10. Uauuu que lindo!

    "Devolva-me a chave de minha alma
    E não me volte com algo menor que o amor"

    Beijão!

    ResponderExcluir
  11. Muito liindo, Danilo.

    Não tenho twitter, mas olho o seu todos os dias.
    Adoro.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  12. O último final desse, mas não de outros. Texto bom pesado, angustiante. Adorei!

    Grande abraço, muito grato pela honrosa leitura.

    ResponderExcluir
  13. Poeta, quanta saudade!

    Vim aqui procurando uma pá que me tirasse o peso dos ombros e encontrei coragem para descarregar... Na mosca como sempre!

    Eu prometo, nunca mais volto aqui com menos que amor.

    Abraço Ziriseiro

    ResponderExcluir
  14. Oi meu querido poeta...Vi um comentário seu no blog da minha amiga Simone (Letras e Tempestades)e embora já te siga no twitter , vim agora conhecer seu blog. E não poderia ser diferente, estou aqui perdida de encantamento pelos sons poéticos que ouço...Te sigo também aqui, para não correr o risco de te perder...Bjs.

    ResponderExcluir
  15. Como diria um amigo, isto:
    "E não me volte com algo menor que o amor"


    matou a pau!


    Coisa linda viu?

    Beijos

    ResponderExcluir
  16. Assim, como a Soninha... Além do Twitter e do facebook "Te sigo também aqui, para não correr o risco de te perder..."...
    BJks

    ResponderExcluir