segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

“Vicissitudes” (26/01/2011)

A vida é simples
Como cheiro de chuva no asfalto
Como cheiro de grama cortada no jardim
Este raiar de Sol tardio
Essa esperança embutida na solidão
Não chega nem a ser palavra
Se sustenta no toque da pele
Nos desejos dos corpos
Suspira de um olhar a outro
Completa-se no abraço

A vida é sutil
Pequenas e breves felicidades
Intensos e findos romances
Entranhas de um dia
Sonhos de uma noite
Segredos escondidos no horizonte
Verdades escancaradas no peito
Um pedaço de lembrança
Um outro a se construir.

A vida é tudo
As aflições de uma alma
O disparar de um coração
O despedaçar de lágrimas
Arriscar o que não se tem
Tudo que se sente
Tudo que acaba

Ass: Danilo Mendonça Martinho

6 comentários:

  1. A vida é simples...
    Mas agente complica
    aí fica difícil descomplicar o que agente complicou...

    ResponderExcluir
  2. Não sei, acaba mesmo? Eu penso que não. rs
    bacio

    ResponderExcluir
  3. A vida é bela só em estar dentro dela!

    ResponderExcluir
  4. A vida é leve como os versos que eu acabo de ler. A vida é um dia após o outro, com sorrisos e ventos.
    A vida é esse sorriso, esse poema sem fim, porque eu acredito que tudo isso não acaba, rs,....

    A vida é esse sorriso leve e suas palavras leve que acabo de ler.

    Ah chuva no asfalto e grama orvalhada!!

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. E no final a vida não é nem substantivo, porque o conteúdo se dá no verbo.

    ResponderExcluir