"Poeta da Colina - Um Romântico no Século XXI"

domingo, 30 de agosto de 2009

“Sucinto” (13/08/2009)



Pretendo
Assim
Tentar
Ser um tanto
Mais breve
Ser um tanto
Mais objetivo
Calar
De fato
Não há
O que chamar de espaço
Para divagações
As mesmas histórias
O mesmo argumento
Uma voz
Sem voz
Murmurinho
Desnecessário
O mundo não precisa
Não lida
Com tantas explicações
Sim
Não
E basta
Engana-se
Quem pensa
Que alguém escuta
Eu mesmo peco
Ao me esforçar
A mais
Além
Pelas coisas
Que não existem em palavras
Mas duvido
Também
Da compreensão
Meu olhar
Permanecerá
Mais um
À multidão
Meu silêncio
Será como segredo
À poucos
Aqueles
Provavelmente
Sem mais a dizer

Prometo
Sem mais prolongar
Sucinto
Enfático
Serei então
Tudo e nada
Nunca e sempre
Começo e fim
Para entrelinhas
Procure o poeta
Sentado no jardim
Mais
Mas
Cuidado
Ele pode
Não
Responder
Apenas
Sim

E eu
Particularmente
Digo
Ou
Penso
Não devo
Dizer
E sei
E sinto
O então
Do movimento
Não veio
E o mundo
Assim
Em breve
Pára
Receio
A escolha
De um dia ruim

Ass: Danilo Mendonça Martinho

Um comentário:

  1. Ainda que seja irrelevante deixar opinião tão besta, gostei bastante dos dois poemas anteriores a este - este também seria lido de baixo para cima?

    ResponderExcluir