terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

"N.D.A."(30/01/2009)



Eu pensei na possibilidade

Mas resolvi ficar

Nem que por versos

Nem que por respiros distantes

Somente na certeza,

Somente pontos finais

Incisivos e indiscutíveis


Foi tua imagem que me deu a razão

Colocou meus pés no chão

Olhei apenas na tua direção

Outras chances já não me importavam

Foi assim que abri mão desta palavra

Que gosto de usar, e criar uma ambigüidade

Simples, pura e direta.

Uma ambigüidade que fica nos seus olhos

A cada nova janela que mostro

A cada porta que abro.

A diversão são os corpos alheios

São as reações, são os espasmos incontroláveis

Desses músculos desobedientes

Que deixam cair lágrimas e dão risadas fora de hora.

Gostoso mesmo é não saber.

É não ter a certeza

É brincar com o possível.


Mas hoje, somente hoje

Lhe faço um agrado e não digo.

Evito entre as linhas com eufemismos,

Intenções e sinônimos.

Deixando tudo nas palavras,

Em único sentido, em uma estrada sem retornos.

Escrevo sem delongas que estou maravilhado

Mesmo sem tua presença,

A lembrança instiga meus sentimentos

Quero é tudo dando certo

Como no sonho que já reconstruí algumas vezes

Se você pudesse realmente aparecer

Aí sim, sem dúvida nenhuma

Não precisaria de um talvez.


Ass: Danilo Mendonça Martinho

Nenhum comentário:

Postar um comentário