segunda-feira, 6 de agosto de 2018

Martírio




Martírio” (30/07/2018)

Pegou a faca
Provavelmente a última
Esquentou o pão
Provavelmente amanhecido
Tomou o chá
Provavelmente sem açúcar
Vestiu o paletó
Provavelmente com o bolso furado
Saiu de casa
Provavelmente sem guarda-chuva
Chegou no trabalho
Provavelmente atrasado
Cumpriu o expediente
Provavelmente sem vontade
Parou no bar
Provavelmente sozinho
Voltou caminhando
Provavelmente no frio
Tomou banho
Provavelmente chorando
Assistiu TV
Provavelmente sem sorrir
Deitou-se
Provavelmente sem sono
Pensou no seu dia
Provavelmente....irá repeti-lo

Ass: Danilo Mendonça Martinho

sábado, 21 de julho de 2018

Insólito

Tem coisa que não tem jeito. Não sai da garganta, da cabeça, da alma. É preciso tempestade, algo radical para aliviar o peso. Tem muitos dias que lutamos com a maré, mas em alguns é preciso se deixar levar. Abrir mão, se despir, se livrar. Descarregue.

Insólito” (21/07/2018)

Tá precisando chover
Tá precisando lavar a alma
Arrastar sentimento atolado
Desobstruir a garganta
Encharcar as ideias

Quero vendaval para carregar tristeza
Raios para destruir amarras
Granizo para ferir mentiras
Escuridão para esquecer verdades

A terra tá seca de sonhos
O ar pesado de mesquinharias
Os olhos ardem do cansaço
As folhas despedaçam junto da alegria
O suspiro virou tosse amarga

Tá precisando chover
E nem precisa ser poesia
Pode ser abraço no fim de tarde
Carta de amor perdido
Rosquinhas fritas da vovó
Qualquer coisa que dê vida

Ass: Danilo Mendonça Martinho

segunda-feira, 9 de julho de 2018

Relato de uma dor

Tem momentos do passado que sempre voltam para nossa consciência. Tirando de lado a ideia de arrependimentos ou nostalgias, vejo que são lições que voltam para nós. Aqui, entre muitos aprendizados que tive, acredito ter um que vale para todas áreas da nossa vida e para muitos momentos turbulentos que estamos vivendo. Os dois lados da moeda. Fui magoado muitas vezes, mas só quando magoei compreendi a situação. Acredito que muitas vezes olhamos apenas a nossa perspectiva, as nossas crenças, as nossas verdades, os nossos sentimentos. Mas e o outro? Nossa como é difícil pensar no outro quando este nos prejudica tanto, nos faz doer, ou discordam e refutam nossos princípios. Mas é um exercício que com o tempo nos faz pessoas melhores. Como diz a poesia, algumas vezes uma mágoa, um adeus, se fazem necessários para chegar até a paz, até a compreensão. As lições da vida são as difíceis.

Relato de uma dor” (08/06/2018)

Eu não venho aqui
Lhe tirar nenhuma mágoa
Não é meu direito
Nem venho porque te devo
Falo no mesmo egoísmo
De quando te deixei
Falo pois faltei com a sinceridade
A mesma que defendo em praça pública
Venho pensando apenas em mim
Na paz da minha alma
Na absolvição do meu coração

Outrem era quem reclamava do amor
Tanto que quase ignorei
Quando estava a mercê em minha porta
Mergulhei de cabeça
Cada meu bem, veio do coração
Fui inteiro, fui entregue
E como em todo erro
Fui longe demais
O amor de um não sustenta dois
E terminei o que não podia começar
Arrastei tudo para minha solidão
Fui causa e não consequência
E traí toda minha consciência
Quando fui incapaz da verdade

Se tiver perdão foi em vão
Se tiver silêncio não sobrou nada
Se tiver resposta mereço a dor
Magoar é simplesmente terrível
E pode ser o único caminho para paz

Ass: Danilo Mendonça Martinho

sábado, 7 de julho de 2018

Enredo

Queremos uma resposta pronta, um final feliz. Cada dia mais percebo que o fim é a parte que menos importa em qualquer história. Resultados serão sempre apenas resultados, pontuais, efêmeros, parte de um todo. Precisamos prestar atenção nas batalhas, que nada vem fácil e que uma boa história é escrita com muita persistência no caminho.

Enredo” (22/05/2018)

Os altos e baixos são rápidos
Qual seria fingimento?
Um plano não um sonho
Só mais regras a seguir

Posturas condicionadas
Ideias programadas
São passos sem porquê
Tento e eis o erro

Assumir a esperança
É exaurir o corpo
Desgastar as possibilidades
Arriscar sobrar só realidade

Aceitar a derrota
É viver sempre hoje
Amargar toda alma
Entregar-se ao acaso

Para um falta força
Para outro falta coragem
Personagem sem propósito
Acaba sem solução

Ass: Danilo Mendonça Martinho

sexta-feira, 6 de julho de 2018

“Anáforas”

Nos detalhes as palavras mudam todo seu sentido. Eu fico aqui nesse espelho procurando os nuances que vai mudar todo meu destino. A vida chega e escapa em um suspiro, eis o tempo que temos para descobrir nosso caminho. 


Anáforas” (18/05/2018)

Quando importar o que faço
Não me importará o tempo
Mas se me importo com o peso
Como hei de achar o que importa?

Não faz mais diferença a tristeza
Não é diferente de uma prisão
Pareço indiferente ao sonho
Sem saber o que difere a ação da esperança

Falo na procura de uma luz
Quando me calo também não acho
Digo mas nunca convenço
Escrevo para não ter que dizer adeus

Tudo que me resta é esse horizonte
Amargo tratar como resto a liberdade
Resta então o consolo do pensamento
Se isso é sobra, o que me é inteiro?

Ass: Danilo Mendonça Martinho

quinta-feira, 5 de julho de 2018

Sobre o Cansaço

Quantas vezes respiramos mais fundo e pareceu que seria mais fácil, em um suspiro, simplesmente esquecer? E quantas vezes realmente deixou de apenas parecer? O cansaço eventualmente toma conta, mas desistir não é alívio.   


Sonho de vagabundo” (14/05/2018)

Poderia ser mais fácil
E nem digo ser feliz
Passar o dia a esmo
Vontade e nenhum dever

Férias eternas
E nem digo viajar
Um canto de sofá
Uma maratona na tv

Um colo, um amor
Sem esforço, sem migalhas
Somente uma paz
E um silêncio ao pôr do sol

Não ter o que fazer
Sem lugar para me arrastar
Sem esperança de mudar
Ser pleno uma vez

Ass: Danilo Mendonça Martinho